Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

FERNANDO ALAGOA

Blogue Oficial

FERNANDO ALAGOA

Blogue Oficial

01
Out14

Pedaços de vida

Os livros não são mais do que pedaços de vidas encurralados em prisões de papel, ao mesmo tempo tão livres que permitem a concretização dos sonhos.

Alguns livros vão para além do sonho e as ilusões que comportam chegam-nos através do cinema, pelos olhos do seu realizador.

Quando um filme é extraordinário, cativa-nos e vincula-nos para sempre a uma só visão.

Eu próprio construo as minhas histórias com um cariz fílmico. As cenas nascem primeiro e só depois os diálogos. É como se estivesse perante um filme mudo a carecer de ser legendado. É interessante perceber, mais tarde, que cada leitor recria o que escrevemos de acordo com a sua própria percepção do mundo.

Assim, creio poder afirmar que o livro é por natureza algo em constante renovação, já que, permite-nos uma infinidade de interpretações e vivências.

Cada leitor interpreta-o à sua maneira e constrói os cenários de acordo com as suas próprias experiências de vida. Neste sentido, o livro vai além do filme, pois não terá fim e a sua história será continuamente recriada.

Considero redutor e até arrogante, quando alguém presume descortinar os pensamentos do autor quando construiu a sua obra. É a sua interpretação e não a do autor. Além disso, a do autor é apenas a primeira, o princípio, mas não o fim. Ela renova-se a cada leitura.

Cada história é um conjunto infindável de emoções, de cheiros, de cores e de sons. Resulta das influências do tempo, da chuva, do sol, do bater das ondas ou do esvoaçar de um pássaro. Alimenta-se do burburinho das gentes e do som das letras. É verdade, as letras também têm sons e cada palavra remete-nos para cenários músicais distintos. Cada história tem um conjunto de sons que formam músicas, às vezes, impossíveis de colocar nas frases; outras vezes, tão óbvias que se enraízam e ficam ligadas ao que escrevemos para sempre. Cada história é o somatório de momentos irrepetíveis e únicos, externos e intrínsecos ao acto da própria escrita e de cada narrativa.

Um livro é muito mais do que letras e palavras. Um livro é uma verdadeira sinfonia!

© Fernando Alagoa
Editoras
Leya Escrytos
Alphabetum